30 de jan de 2011

Saindo da estrada conhecendo pessoas

Já é  quase uma da tarde estou meio preocupado se dará tempo de chegar a tempo de encontrar a concessionaria aberta para a revisão da moto e ainda falta 350 km para chegar em santa Rosa. talvez se eu fosse daqueles que vão direto ao destino chegaria a tempo sem preocupações mas acontece que apesar de amar as estradas eu também amo conhecer cidades e pessoas. Vou dar uma dica para quem como eu gosta de conhecer pessoas. Quer conhecer alguém da cidade? quer bater papo e falar do lugar? você esta no lugar certo, basta entrar numas daquelas pequenas mercearias do interior argentino e puxar assunto, garanto que não faltarão historias, ainda mais sendo com um Brasileiro viajando de Moto naqueles cafundós, numa dessas paradas conheci a Lúcia dona de uma mercearia lá na cidade de 9 de Julho já na divisa da província de Buenos Aires com a província de la Pampa, entrei na cidade para comprar agua e frutas para o "almoço/ piknique" que faria kilometros a frente em algum lugar que pudesse apreciar a paisagem.A Lúcia quase me conta a vida toda dela em quinze minutos e entre outras coisas disse que nunca tinha feito uma viagem longa e que sempre viveu assim sem nunca ter ido para muito longe, por isso a admiração dela por alguém que vinha de muito tão longe. Comprei pães, agua e ela me presenteou com uma metade de um  queijo que ela disse que era feito numa fazenda próxima dali, me despedi e ela fez questão de me acompanhar ate a porta da mercearia para se despedir do viajante...uns cem kilometros a frente parei para fazer o lanche num lugar que nem era muito bonito, mas aproveitei a sombra dos Alamos árvore que nunca tinha visto de perto e quando provei o queijo da Lúcia quase que eu volto lá na cidade para comprar mais, nunca tinha esperimentado um queijo tão especial de textura e sabor, é nessas horas que você percebe que esta fazendo uma outra viagem, dentro da mesma viagem...
Mercearia da Lúcia

Alamos os primeiros no norte da Patagónia
Parada para o lanche

29 de jan de 2011

A caminho de Santa Rosa

Acordei cedo, fiz  revisão diária da moto, prendi as mochilas, fechei o alforge deixei  tudo pronto só faltava tomar café " deseyuno é como eles chamam  café da manha aqui, que na verdade é tão somente medias Lunas, café, e geleias" e de me despedir da lena a recepcionista do hotel que minutos antes já havia me dado todas as dicas de como sair da cidade pela via mais fácil sentido Ruta 5...As sete da manha o sol já me acompanhava,  e la ia eu pelas ruas tranquilas da cidade e em menos de 100km depois ja estava no trevo da Ruta 6 entroncamento da Ruta 5. Aqui nesse trecho vou dar uma dica para os Católicos aproveitem que estão por aqui e dêem uma passadinha em luján façam uma visita a Padroeira da Argentina.  " vou comparar como se estivessem fazendo uma visita a aparecida do norte" como eu já conhecia a cidade toquei direto pois queria chegar cedo em Santa Rosa para fazer a segunda troca de óleo na concessionaria YAMAHA de lá
  È aqui na Ruta 5 que se inicia as retas intermináveis, e por se tratar de uma região agrícola encontramos muitos tratores e graneleiros pela estrada. da impressão que todo milho do mundo é plantado aqui, e para quebrar a rotina da paisagem as vezes eles plantam girassol ou sorgo o que da um ar mais alegre para a Ruta.
 Uma dica importante para os motociclistas que andam por essas estradas com retas intermináveis e as vezes mais de 100 km sem fazer uma curva se quer.A dica é instalar um "cruise control" caso a moto não tenha. eu não coloquei na minha  porem depois de horas sem tirar a mão do acelerador me lembrei de uma dica que eu li lá no fórum  XT600 e que o Paulo lá de santos me demonstrou por Email. O esquema me demonstrou ele era adaptar uma borracha entre a manopla e o punho do acelerador. borracha essa que eu havia me esquecido de levar mas não me dei por vencido, o incomodo de não tirar a mão do acelerador era tanto que improvisei com um extensor que estava usando para amarrar as mochilas. Peguei o extensor dei três voltas entre o protetor de mão e o punho do acelerador, incrível como funciou bem na XT, consegui ajustar na velocidade que eu queria entre 100 a 120 km h. ainda bem que não gastei dinheiro com cruise control, foi a melhor dica que eu usei durante a viagem.Quem faz grandes viagens sabe como é bom poder exercitar  o braço direito, porque se não levantar ele de vez em quando ele até perde a sensibilidade ele dorme e até da formigação dependendo do tempo que você pilota entre uma parada e outra.
.


La Pampa primeira provincia na Patagonia
 
       
Trevo Ruta 6 com Ruta 5

27 de jan de 2011

Zarate - Santa Rosa

608 km Zárate - Santa Rosa
Rutas e Retas
Ontem a noite sai para dar uma volta na cidade mas o cansaço me impediu de conhecer melhor a região do centro,aproveitei fui ao mercado comprei agua pães e frios para fazer meu lanche pelo caminho, voltei para o hotel e ja deixei as mochilas prontas para sair bem cedo pela manha. Uma dica valiosa para quem viaja de moto pela argentina e passar pelos mercados comprar pães e frios para fazer pequenos pikniques pelo caminho..por varios motivos eu prefiro assim, primeiro que os pães argentinos são uma delicia principalmente os integrais os frios são reconhecidamente muito bons e baratos, segundo que a comida das estradas argentinas alem de precarias não é tão gostosa quanto aquela comidinha que encontramos em nossas estradas e terceiro e principal é que voce escolhe quando para descansar e comer e pode ter certeza que mesmo naquelas retas interminaveis do deserto de vez enquando encontra-se um oases com arvores e uma paisagem de tirar o folego. e se voce viaja só como eu vai perceber como é diferente agradecer a Deus por estar ali naquele momento unico.

25 de jan de 2011

Zárate

Como diz o ditado "que o costume do cachimbo é que entorta a boca." pois é, bem feito para mim achei que já conhecia o caminho não consultei o mapa e nem me dei ao luxo de perguntar em algum posto. sai da fronteira rumei sentido a ruta 14 e lá chegando enrolei o cabo e fui embora. a paisagem ali naquele pedaço da estrada é sem graça um calor de rachar mamona e o relógio já marcava quase duas da tarde e eu enrolando o cabo para chegar cedo em zárate e foi só depois de uma hora de estrada que fui perceber que estava sentido contrario, levei um susto danado quando li numa placa sinalizando Uruguaiana. puts que raiva nem percebi que estava subindo de volta para o Brasil sentido norte da argentina passo de los libres, que merda mais de 100km. na ruta certa porem no sentido errado e o trecho que éra para ser de 580km. acabou sendo de 800 e tra la lá... a emoção que eu estava sentindo por estar passando de moto por uma estrada que eu já havia passado de ónibus da viação pluma no tempo que eu era um mochileiro de 16 anos de idade quase se torna numa preocupação pois estava longe de Zárate e era lá que eu queria passar a noite, fiz o retorno e se a estrada e a paisagem naquele pedaço da estrada já não era tão bonito imagine voltando pala mesma ruta poeirenta com aquela cara de idiota por ter andado tanto sem se ligar no sentido norte - sul, mas essas coisas acontecem e eu tenho certeza que já deve ter acontecido algo parecido com você também...
me lembrei na hora do cara que eu parei para socorrer lá em santa Maria, aquele que estava com o pneu furado mas não tinha nem uma chave de fenda no carro para trocar a roda...veja só, ele não tinha nem uma ferramenta no carro e estava preocupado comigo porque eu estava viajando com uma moto super equipada mas que faltava um equipamento relativamente barato e que iria me fazer falta o GPS....argumentei com ele que era uma opção minha viajar sem GPS e agora dando risada sozinho dentro do meu capacete negro mais uma vez me lembrei do ditado que minha mãe sempre fala "que o costume do cachimbo é que entorta a boca"
Enfim cheguei em Zárate quase sete da noite alem desse tempo perdido eles estavam duplicando a ruta próximo a zárate e o que era para ser um tiro rápido acabou sendo um dos dias mais cansativos da viagem o calor castigou sem pena de quem estava na estrada. antes de chegar na cidade parei para tirar fotos da "puente Zárate - brazo largo" cartão postal da cidade e quando cheguei fiquei logo no primeiro hotel que encontrei, dei uma sorte danada apesar do hotel não ter funcionários era só uma moça para atender telefone, mostrar os apartamentos, atender na recepção," só ela" pensei comigo ela é do tipo que chuta o penalti e corre para agarrar e sem perder a educação e o bom Humor..eu estava tão cansado que o hotel nem precisava ser tão confortável como era. apesar da primeira impressão.

Rivera - Zarate

O dia estava perfeito e como seria um trecho curto, mais ou menos 580 km. aproveitei com calma os poucos kilometros pelas rutas uruguaios, a minha intenção seria ir por fray bentos mas em tacuarembó fui informado que havia piquetes argentinos contra a fabrica de papel que se instalara ao lado do rio la plata e por precaução resolvi entrar na Argentina por Concepcion del Uruguay e aqui vou dar uma dica muito importante para quem viaja de moto ou carro para argentina e Uruguai, como todos sabem há muitos tratados que facilitam entrada e saída de veículos entre os países do Mercosul, basta somente identidade, documentos do veiculo em nome do condutor e as vezes as seguro carta verde que todos já ouviram falar, O que esses tratados facilitam é que você não precisar fazer nenhum documento de importação temporária quando entra nesses países, porem esse tratado só é valido quando você entra e sai do pais com o veiculo, mas por ex. se você precisar voltar e deixar a moto para uma transportadora trazer de volta ai você ta fudd com a burocracia... por preucação peça um documento por escrito com os dados do veiculo nas fronteiras , eu descobri da pior forma como funciona essa burocracia.( vocês entenderam? se você vai e volta com sua moto sem nada acontecer lá, você não precisa apresentar nem um documento do veiculo na saída, mas se você sofrer um acidente e a moto não poder rodar ou você arruma lá ou traz ela até a fronteira e passa com ela pela aduana com você ali presente tudo normal mesmo que ela esteja rebocada, mas se quiser vir embora e trazer de avião ou navio vai precisar daquele documento que eu falei e o pior de tudo que a maioria dos agentes das aduanas desconhecem esses trâmites burocráticos...depois eu conto o que aconteceu comigo e como foi demorado e caro trazer minha moto la da patagónia até São Paulo de navio.













































Paisagem tipicas dos pampas uruguaio

Rutas ao norte do Uruguai

Uruguai


















avenida principal de Rivera

24 de jan de 2011

Santana do Livramento - Rivera - A Fronteira Amiga

Santana do Livramento Talvez a maior cidade Gaúcha a fazer fronteira com o Uruguai divididas pela mesma avenida, pelo pouco tempo que eu passei pelas as cidades Santana- Rivera o que eu achei curioso foi o tipo de comercio das duas cidades do nosso lado apesar da cidade ser mais bem cuidada e organizada as lojas que mais se encontram são farmácias e super mercados e lá do outro lado em Rivera a cidade um pouco mais desorganizada, porem as lojas são mais luxuosas com o comercio voltado principalmente para bebidas, roupas de marca, perfumes, óculos... a curiosidade é que os brasileiros vão para Rivera, para abastecer o guarda roupas e eles vem para cá em Santana, para abastecer a dispensa e principalmente comprar remédios que dizem eles ser muito mais barato aqui no Brasil. ops. e nós vivemos reclamando que os remédios aqui são caros, ainda bem que eu não precisei comprar nem aspirina no Uruguai.
Voltando ao que interessa o relato da viagem, apesar da minha intenção ser passar pela fronteira e continuar até a fronteira com a argentina que fica a menos de duzentos km daqui, no entanto resolvi descansar um pouco mais por aqui até porque daqui para frente o território seria gringo e eu já estava na estrada a quatro dias, aproveitei para conhecer a cidade, ligar para casa e me preparar para sair cedo e foi o que fiz.
As seis da manha já estava com tudo pronto só esperando o restaurante do hotel abrir para tomar café e por falar em hotel por preguiça de procurar outro fiquei no hotel jandaia muito bom, porem não é bem esse tipo de hotel que os aventureiros preferem. apesar de saber que aventureiros também gostam de conforto e lençol macio e cheiroso, quem não gosta,né?
Antes de sair já tinha ido até o posto abastecido, calibrado os pneus conferi os alforges,os tensores, a corrente apesar de muita chuva no dia anterior estava bem lubrificada tudo pronto. só atravessar a avenida e já estava no Uruguai a dica aqui para quem vem de moto ou carro e vai continuar a viagem pelo Uruguai é não esquecer de passar na aduana para dar entrada no país, que aqui ao contrario de outras fronteiras a aduana migraciones fica no centro da cidade próximo ao estádio e não na estrada como de costume.La na aduana tudo muito rapido porem quando apresentei meus documentos ele me informou que teria que pagar uma pequena multa no banco, puts pagar multa porque? ele me falou que constava lá no cadastro deles que eu já hávia entrado no Uruguai outra época e não teria dado saida na fronteira, foi quando me lembrei que da outra vez que tinha ido ao Chile tinha entrado pelo chui e saído de buckbus em colonia e na verdade como sai de navio pelo rio la prata nem me lembrava se realmente tinha dado saída la em colonia del sacramento...Moral da historia, detesto pagar propina principalmente em outro pais,mas como ele mesmo deu a letra insinuando que dez Reais já deixava o dia dele feliz, isso mesmo Dez Reais preferiu reais e não pesos uruguaios,não pensei duas vezes, mas cheguei a imaginar que teria que esperar banco abrir ou pagar muito mais para ele fingir que não me viu, dei logo os dez reais e fiquei torcendo que ele realmente desse baixa lá para que eu não tivesse imprevistos ao sair pela fronteira de concepcion del Uruguay...( no caminho fiquei pensando acho que esse cara me deu o maior caô, será que ele não se aproveitou da minha pressa e aplicou essa em cima de mim? se foi nunca vou saber, pelo menos ele foi bem cortes principalmente depois de receber os dez reais e me deu até um mapa do Uruguai, pior ainda é que eu com aquela puta pressa e ele falando que estava chateado porque o Corinthians havia se recusado a tranferir o jogo pela libertadores de Montevideu para Rivera...aja assunto. papo vai e a estrada me esperando eu louco para matar as saudades daquelas curvas que me levariam até a fronteira, apesar do meus dez reais e também do tempo precioso valeu a pena ter conhecido um sujeito tão bacana.

Oito meses depois

Como se nada tivesse acontecido volto a postar aqui depois desses meses todos, principalmente em respeito a todos que estavam me acompanhando por aqui e tambem por causa da comida de rabo que o Danilo meu filho me deu por ter parado de postar sem dar satisfação alguma aos seguidores do Blog.
A todos voces eu peço desculpas e espero que eu tenha argumentos para justificar tamanha falta de respeito...
Vou fazer o possivel para descrever a viagem até onde foi possivel ir e o motivo de ter parado de postar, e como se nada tivesse acontecido tambem vou postar as fotos e dicas dos lugares onde passei até que eu chegue no final antecipado da viagem, porem só vou falar do motivo que me fez abortar a viagem mais para frente, então leiam até o final ai sim quem sabe voces entenderão o motivo porque parei de postar.