5 de jan de 2013

Expedição ao Parque nacional do Xingu

Foi incrivel  fazer parte em 2012 desta expedição que inauguraria um novo roteiro para o Motototurismo, ou Motoviagens No Brasil. Chegamos onde nem um outro Motociclista chegou sem ser convidado pelos Caciques.

Ainda não tenho ideia de como vou relatar esta viagem, vou apenas compartilhar e comentar algumas fotos e quem sabe no futuro eu consiga comentar e transmitir tudo que aprendi nessa Motoviagem ao Xingu.

Dois mil kilometros separam São Paulo da Entrada da reserva indigena no Xingu. E depois de dois dias cortando estradas chego em Canarana -  MT na casa do Elson, nosso ponto de encontro com o restante dos amigos que fariam parte da Expedição, Atobá vem de Porto Seguro - BA, Santoro, vinha de Piraju - SP, Piu veio de Monte Alto - SP , Eu venho de Sampa, e por fim o Elson de Canarana - MT, que foi o grande incentivador da Expedição, organizou e contactou as pessoas certas para nossa entrada na Reserva.





Em algumas estradas no Brasil
 seria muito melhor se não houvesse asfalto


Serra do Roncador
Algumas centenas de km do Xingu

A poucos km de Canarana - MT nosso ponto de encontro


As Motos.

Elson: BMW GS 800
Atobá : Honda xre 300
Santoro: XT 660Z Tenere
Saulo: XTZ  Lander 250
Piu: BMW GS 800
Inicio da Expedição - Partindo para gaucha do Norte - MT

Depois de dois dias esperando o Pneu off road do Elson chegar de Goiania, enfim conseguimos montar tudo e exatamente as treze da tarde estava mos partindo para Gaucha do Norte;  pela frente 150 km de estradas de terra pela MT 20 , dava mos inicio ao primeiro trecho off road tão desejado por nós.


Por enquanto de obstaculo somente o calor


A Estrada é esta mesmo?


Toda sombra é bem vinda
 no Calor Matogrossense





A noite já hospedado na pousada
e descanso merecido para as guerreiras


Segundo dia - Gaucha do Norte até o acampamento na divisa da reserva


Atobá e sua XRE

Estamos no limite do serrado Matogrossense e Floresta Amazonica
Como podemos observar pela vegetação

Areia e Serrado Combinação linda


Piu e sua BMW

Nos campo Ema e sua centena de filhotes

Veredas

O Acampamento


O acampamento fica dentro das terras do Gilbertão, Limite com a reserva 50 km a frente, fomos recebidos por ele e pela esposa Claudia que gentilmente deixou a nossa disposição, lancha Voadeira para descer o Rio, equipamentos de caça e pesca, "Ele ainda não sabia que o unico proposito nosso ali era andar de Moto", e conhecer o Xingu, e conhecer o Xingu, nada de pesca nem de caça.



Claudia preparando a melhor galinhada com pequi já esperimentada por nós

Pequi 

Galinha com Pequi, a melhor comida de acampamento que já provei

Piranha Frita, rejeitada pelos nativos,
que a Claudia preparou somente para matar nossa curiosidade, uma delicia!!


Rio Xingu

Ao longo de seus 2,3 mil km, o Rio Xingu atravessa a parte leste do
Estado do Mato Grosso e corta o Estado do Pará até desembocar no
Rio Amazonas, na cidade de Porto de Moz, formando uma bacia
hidrográfica de 51,1 milhões de hectares
(equivalente à área de dois estados de São Paulo).
A Bacia do Xingu, da qual fazem parte 35 municípios,
é habitada secularmente por povos indígenas.
São dez mil índios de 20 etnias diferentes - 14 delas no parque -
que fizeram do rio a base de suas atividades tradicionais,
ritos e intercâmbio cultural entre si. Além deles,
a região concentra cerca de 450 mil não-índios,
e as nascentes ou cabeceiras do Xingu se localizam
em meio a um dos maiores pólos agropecuários do país,
exatamente no leste Matogrossense.

Fonte:
http://www.socioambiental.org/inst/camp/xingu/pgn/rioxingueregiao.html 











Visitando as aldeias na reserva índigena no alto do Xingu

Tenho muitas fotos que retratam o dia a dia do índio na aldeia, porem em respeito da 
privacidade deles procurarei mostrar o minimo possível daquele cotidiano, 
Afinal meu interesse ali era somente o Mototurismo, 
Mesmo que eu quisesse não conseguiria transmitir o que eu aprendi ali naquelas poucas horas,


Atenção: Quem adentra a reserva sem autorização da funai
 ou sem ser convidado por algum cacique,
corre o risco de ser hostilizados pelos indios
além de ser preso.

Acesso a primeira aldeia dentro do Parque












Poder conhecer e passar alguns dias no alto Xingu me trouxe muito conhecimento
que com certeza trará muita influencia ao longo da vida, 
tanto como pessoa e também como Motociclista.
Encerramos assim esta pequena Expedição,
 numa região pouco explorada pelo Mototurismo.

Agradecimentos

Ao Elson, que idealizou e organizou e nos convidou para a realização desta Trip
A companhia dos amigos Atobá, Piu, e Santoro e Elson já citado acima.
Ao Gilbertão e esposa Claudia que colocaram a nossa disposição
toda estrutura do acampamento no Xingu.

4 de jan de 2013

Na terra da Poetisa - Goias Velho - GO



Mascarados

Saiu o Semeador a semear 
Semeou o dia todo 
e a noite o apanhou ainda 
com as mãos cheias de sementes. 
Ele semeava tranqüilo 
sem pensar na colheita 
porque muito tinha colhido 
do que outros semearam. 
Jovem, seja você esse semeador 
Semeia com otimismo 
Semeia com idealismo 
as sementes vivas 
da Paz e da Justiça.

Cora Coralina

Ao fundo Igreja da Boa Morte

Em Goias Velho terra de Cora Coralina
Uma das Motofotografia que mais gosto


A esquerda casa de Cora Coralina
Igreja de Nossa Senhora do Rosário


Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Pelo menos para mim este posto em Goias Velho é uma curiosidade
O posto Texaco é Ipiranga

Brasilia - Só para matar saudades

A primeira vez que eu tive em Brasilia faltava pouco para completar dezeseis anos, Eu já mochilava por ai... O Tempo passou e as lembranças daquela primeira vez sempre me vem. Pois é, eu conheci ali quando as cidades satelites realmente eram satelites de Brasilia, quanta diferença, hoje tadas emendadas, uma verdadeira Metropole. Algumas coisas não mudaram, o eixo central tirando o transito continua quase igual...
 Saudades da Tiana, domestica que conheci na rodoviaria velha, como eu não tinha lugar pra ficar, passou a o dia e noite comigo andando pela cidade, de madrugada cochilamos ali mesmo no canteiro central, no dia seguinte preocupada comigo pediu que não fosse embora, falaria com a patroa e possivelmente arrumaria trabalho para mim. Disse a ela, deixa disso moça, meu destino é caminhar e naquela mesma tarde embarcava para Cuiaba. Tiana todas as vezes que volto a Brasilia passo pelo os mesmos lugares, tentando em vão, matar saudades daquela noite.



Divisa de São Paulo e Minas
 exatamente na metade do caminho para Brasilia


 "Viaturas retro "
 em exposição em posto da policia rodoviaria federal BR 50